Entenda tudo sobre o estrabismo convergente e conheça a sua relação com a hipermetropia - SunKids

Entenda tudo sobre o estrabismo convergente e conheça a sua relação com a hipermetropia

Com o passar do tempo, o estrabismo convergente começou a se tornar um problema mais popular e conhecido entre as pessoas, já que tal problema anda apresentando uma grande crescente de casos em crianças.

Algo que também foi notado, é que este estrabismo costuma aparecer em conjunto com a hipermetropia, levando inúmeros oftalmologistas procurarem a relação entre estes dois problemas, uma pergunta que já foi completamente respondida! Se você deseja conhecer tal curiosidade, para assim, proteger a visão do seu filho, basta se atentar abaixo!

O que é o estrabismo convergente?

De modo geral, o estrabismo se trata de um problema que aparece quando um dos olhos possui uma musculatura mais desenvolvida, fazendo com que um globo ocular não consiga acompanhar a velocidade do outro, causando certa dessincronização entre os dois.

Com isso, vale dizer que existem 3 tipos de estrabismos, e entre eles, o estrabismo convergente acaba sendo o mais popular e com maior número de casos. Este tipo possui a principal característica que o olho com musculatura mais fraca (menos desenvolvida) acabará se dessincronizando para o lado de dentro do rosto (deixando o indivíduo com aspecto de vesgo).

 

O que é a hipermetropia?

A hipermetropia é um problema que aparenta não ter nenhuma ligação com o estrabismo, entretanto, você verá que tal pensamento está completamente errado! Ela se trata de uma síndrome ocular, onde o indivíduo possui certa dificuldade de identificar objetos localizados a uma distância próxima. Ela pode ser desenvolvida por conta de uma hereditariedade ou por outras fontes naturais, como o envelhecimento, má formação da retina e globo ocular, entre outros.

Qual ligação a hipermetropia e o estrabismo convergente possuem?

Algo que muitas pessoas não sabem, é que em inúmeros casos é possível observar que o estrabismo e a hipermetropia infantil possuem certa relação, já que se tornou comum os casos em que estes dois problemas acompanham um ao outro. Vale dizer que tal situação costuma acontecer em crianças que apresentam um alto grau de hipermetropia, e assim, o estrabismo se desenvolve de maneira “natural”.

Como você já observou, a hipermetropia dificulta com que o indivíduo identifique certos objetos, e por conta disso, um maior esforço e desgaste é aplicado sobre os olhos e todos os seus músculos. Tal desgaste e sobrecarga faz com que os olhos se desenvolvam sem uma sincronização.

Contudo, o estrabismo, seja o estrabismo convergente ou até mesmo o acomodativo, é apresentando quando um dos olhos apresenta músculos mais desenvolvidos ou mais fortes que o do outro olho, ou seja, a hipermetropia consegue ser uma fonte direta para tal problema.

Para que estes casos se tornem extintos, a criança deve realizar consultas com determinada frequência ao oftalmologista, evitando que a hipermetropia (caso seja desenvolvida), chegue a um grau muito alto, se tornando um problema maior.

 

Principal tratamento para tais problemas

Agora que você já sabe qual a ligação entre o estrabismo convergente e a hipermetropia, chegou o momento em que serão apresentados os principais tratamentos que são utilizados quando tais problemas aparecem em conjunto, já que eles conseguem colocar a visão infantil em um grande risco.

A visão infantil é algo extremamente frágil, algo proporcionado pelo processo de desenvolvimento e crescimento natural dos seres humanos, e por conta disso, estas situações merecem uma maior atenção. Em situações comuns, o estrabismo é tratado com lentes de contato, óculos ou até mesmo tampões, enquanto a hipermetropia pode ser tratada com óculos, lentes de contato ou até mesmo com cirurgia.

Contudo, a opção mais recomendada quando ambos problemas aparecem, é o uso estrito de óculos com lentes corretivas, uma prática que auxiliará a criança a enxergar com maior facilidade, evitando as situações em que os seus músculos oculares sofrerão com uma sobrecarga.

Diagnostique ambos problemas com antecedência!

Vale dizer que para conseguir usufruir da maior eficiência entregue por tal tratamento, é essencial que ambos os problemas sejam descobertos com antecedência, evitando com que o estrabismo se torne um problema maior ou com que a hipermetropia alcance graus elevados. Portanto, atente-se de sempre levar o seu filho ao oftalmologista.

Diversos profissionais aconselham que tal visita seja realizada de 6 em 6 meses, um período de tempo em que as síndromes e problemas não conseguem ser desenvolvidas e avançaram tanto. Contudo, agora pode ser afirmado que você já sabe de tudo que diz respeito ao estrabismo convergente e todas as suas ligações e relações com a hipermetropia em crianças.

 

Deixe um comentário

Obs: Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados.

Este site é protegido por reCAPTCHA e a Política de privacidade e os Termos de serviço do Google se aplicam.