O que fazer quando a criança não quer tomar remédio?

O que fazer quando a criança não quer tomar remédio?

O que fazer quando a criança não quer tomar remédio? A capacidade de convencer uma criança a tomar seu remédio adequadamente pode influenciar diretamente a eficácia do tratamento e a velocidade de recuperação. Na infância, o sistema imunológico e o organismo estão ainda em desenvolvimento, tornando a atenção à correta administração de medicamentos especialmente crítica

Dessa forma, o acompanhamento da adesão ao tratamento por parte dos cuidadores é essencial para prevenir recaídas, resistência a medicamentos e outras complicações associadas à utilização incorreta. 

Portanto, compreender e aplicar estratégias eficazes para superar a resistência infantil aos medicamentos é uma tarefa prioritária para pais e profissionais de saúde. 

Compreendendo porque a criança não quer tomar remédio

A resistência infantil aos medicamentos pode ser complexa e multicamadas.

Frequentemente é impulsionada por fatores sensoriais, como o sabor desagradável do remédio, o tamanho ou a textura dos comprimidos, tornando a experiência negativa para a criança. 

A ansiedade em relação à ingestão de algo "estranho" também contribui para a resistência. Além disso, experiências prévias traumáticas com medicamentos podem causar uma aversão duradoura. 

De modo que é fundamental para o sucesso do tratamento médico  reconhecer esses fatores para abordar adequadamente a resistência, personalizando estratégias para cada criança.

Desmistificando Medos: Como conversar com a criança que não quer tomar remédio? 

Abordar a conversa sobre medicamentos com crianças frequentemente envolve desvendar mitos e receios infundados. Aqui estão algumas estratégias:

  • Explique de Forma Simples: Utilize linguagem acessível para explicar como o remédio ajuda o corpo a lutar contra doenças.
  • Seja Honesto: Se o remédio tiver um sabor desagradável, reconheça isso, mas enfatize sua importância para a saúde.
  • Crie Associações Positivas: Relacione a tomada do medicamento a atividades prazerosas que ocorrerão em seguida: "Depois que você tomar o remédio, nós vamos brincar juntos!" 
  • Permita Perguntas: Encoraje seu filho a fazer perguntas e responda-as pacientemente para aliviar suas inquietações.
  • Ofereça Escolhas: Quando possível, dê ao seu filho a opção de escolher entre formatos de medicamento, como líquido ou comprimido.

 

Aqui, o objetivo é construir uma base de confiança e compreensão, fazendo do processo algo menos intimidador e mais cooperativo. 

criança doente não quer tomar remédio

Estratégias lúdicas para incentivar a aceitação da criança que não quer tomar remédio

Enfrentar a resistência da criança que não quer tomar remédio pode ser realmente um grande desafio.

Contudo, a aplicação de estratégias lúdicas pode aliviar a tensão e melhorar a aceitação do tratamento. Listamos abaixo algumas técnicas eficazes:

  • Transforme o Momento em Brincadeira: Crie uma história em que o medicamento é um elixir mágico necessário para dar superpoderes ou curar um herói.
  • Incentive a Autonomia: Envolver a criança na escolha do horário e local para tomar o remédio pode fazê-la sentir-se mais no controle da situação.
  • Use Recompensas Positivas: Estabeleça um sistema de recompensa, como um adesivo ou atividade favorita após a ingestão da medicação.
  • Prepare um Ritual Positivo: Torne o ambiente agradável e calmo, utilize copos e colheres decorados, tornando o momento menos intimidador.

 

O grupo Palavra Cantada tem uma música sobre esse tema e você pode usá-la para tornar o ambiente mais calmo e tranquilo! 


O Papel dos sabores e formulações pediátricas para a criança que não quer tomar remédio 

A aceitação de medicamentos por crianças frequentemente encontra obstáculos decorrentes do sabor desagradável dos princípios ativos.

Assim, formulações pediátricas buscam resolver essa questão, oferecendo sabores e texturas atraentes ao paladar infantil.

Desse modo, a adição de sabores doces ou frutados contribui significativamente para a cooperação das crianças na hora de medicar-se. Além disso:

  • Redução da ansiedade e aversão ao tratamento.
  • Aumento da adesão e regularidade na administração do medicamento.
  • Menor necessidade de persuasão por parte dos responsáveis       

Empresas farmacêuticas desenvolvem continuamente novas formulações visando a melhoria da experiência medicamentosa pediátrica, pois, a cooperação infantil é diretamente influenciada pela sensorialidade dos medicamentos.

Dicas práticas para administração de diferentes tipos de medicamento 

  • Comprimidos e Cápsulas: Utilize métodos de mascaramento, como misturá-los com alimentos (se apropriado). Verifique se os medicamentos podem ser triturados ou abertos.
  • Líquidos: Use seringas dosadoras para maior precisão e controle. Dê o medicamento lentamente, permitindo que a criança engula aos poucos.
  • Gotas: Mantenha a criança calma, use distrações e aplique as gotas rapidamente.
  • Aerossóis e Inaladores: Demonstre o uso você mesmo e então guie a criança para ela imitar. Pratique o uso com a criança usando o inalador desativado.
  • Pomadas e Cremes: Envolver a criança no processo pode aumentar a cooperação. Explique como o medicamento vai ajudar a aliviar o desconforto.   



Criança nao quer tomar remédio - o que fazer

Quando o diálogo não funciona: Abordagens alternativas

Às vezes, a comunicação direta com uma criança sobre a importância de tomar medicamentos pode não levar ao comportamento desejado. Nesses casos, existem várias abordagens a serem consideradas:

  • Mudar a Forma de Administração: Consultar um farmacêutico sobre alternativas, como suspensões líquidas saborizadas ou formatos dispersíveis.
  • Técnica de Distração: Envolver a criança em uma atividade favorita durante a administração do medicamento pode reduzir a resistência.
  • Reforço Positivo: Pequenas recompensas após tomar a medicação podem incentivar a cooperação futura.
  • Participação na Decisão: Permitir que a criança escolha entre opções limitadas, como o horário de tomar o remédio, pode dar a ela um sentimento de controle. 



Envolvendo profissionais de saúde: Dicas de pediatras e farmacêuticos

Pediatras e farmacêuticos desempenham papéis cruciais no manejo da resistência infantil aos medicamentos. Ao envolvê-los, pais podem obter estratégias eficazes para incentivar seus filhos a tomarem o remédio necessário.

  • Pediatras: Podem ajustar sabores de medicamentos e fornecer formas alternativas que sejam mais agradáveis às crianças, como xaropes, gotas ou gomas.
  • Farmacêuticos: Oferecem informações sobre a manipulação dos medicamentos para torná-los mais palatáveis e podem aconselhar sobre horários e métodos de administração que minimizam o desconforto e a resistência.

Busque contar suas preocupações e procurar a orientação desses profissionais para garantir que a saúde da criança não seja comprometida pela dificuldade de adesão ao tratamento prescrito.

Superando obstáculos: Ajustando rotinas e ambientes

Ao enfrentar a resistência infantil na hora de tomar medicamentos, é essencial adaptar rotinas e modificar o ambiente para minimizar o estresse associado a essa tarefa. 

Assim, estabelecer um horário fixo para a medicação pode criar um senso de previsibilidade e segurança na criança. 

Além disso, garantir um ambiente calmo e confortável durante a administração do remédio, longe de distrações e tensões, é crucial. 

Pode ser útil também incorporar o medicamento a uma atividade agradável, como ler uma história ou após um momento de brincadeira, facilitando assim o processo.

E, sempre que possível, oferecer escolhas, como o sabor do medicamento, pode dar à criança um sentimento de controle sobre a situação. 

 

cuidando da criança que nao quer tomar remédio

O Uso responsável de recompensas e incentivos

Quando a criança não quer tomar remédio e essa resistência tende a durar. Recompensas e incentivos podem ser usado de forma moderada: 

  • Claramente Definidas: As crianças precisam entender o que é esperado delas e o que, especificamente, irão receber em troca.
  • Adequadas à Idade: Incentivos devem ser apropriados para a faixa etária, evitando criar dependências ou expectativas irreais.
  • Consistentes: A aplicação de recompensas e a resposta às ações da criança devem ser feitas de maneira consistente para construir uma rotina confiável.
  • Focadas no Positivo: Enfatize o comportamento positivo, não apenas a conclusão da ação de tomar o medicamento.
  • Limitadas: Evite o uso excessivo de incentivos, que pode diminuir a eficácia ao longo do tempo e potencialmente desvalorizar a ação desejada.

 

As recompensas podem ser desde tempo de tela, um pequeno presente ou um passeio a ser combinado.

Entretanto, não abuse dessa estratégia, pois, a longo prazo, a criança pode sentir que sua resistência ou desobediência lhe rendem barganhas ou prêmios. 

Abordando a resistência em situações especiais e crônicas

Crianças com condições crônicas ou em situações especiais podem ter resistência aumentada à medicação. Nessas circunstâncias, abordagens personalizadas e contínuas são essenciais:

  • Desenvolva uma rotina estável, associando a medicação a atividades diárias.
  • Use abordagens lúdicas como jogos ou recompensas para criar associações positivas.
  • Estabeleça diálogos claros e honestos sobre a importância do tratamento.
  • Trabalhe com profissionais de saúde para simplificar regimes de medicação, se possível.
  • Considere terapias alternativas ou formas de medicação que sejam mais palatáveis.

Esteja sempre atento à importância do apoio emocional na adesão ao tratamento de longo prazo.

Apoio Emocional e Psicológico Para Crianças e Pais

Quando uma criança não quer tomar remédio, é essencial endereçar não só a resistência física, mas também o componente emocional. O apoio psicológico pode vir na forma de:

  • Atenção e Paciência: Ouvir as preocupações da criança e validar seus sentimentos sem pressa pode aliviar o medo e a ansiedade.
  • Educação Adequada: Explicar a importância do remédio de maneira lúdica e compreensível para a idade ajuda no entendimento e na aceitação.
  • Acompanhamento Profissional: Se a resistência persistir, um psicólogo infantil pode ser consultado para técnicas comportamentais específicas e suporte adicional. 

Os pais com criança que não quer tomar remédio, também podem buscar apoio psicológico, pois, para garantir que a criança tenha o melhor tratamento, seus cuidadores também devem ser cuidados. 

mãe no médico com criança que não quer tomar remédio

Conclusão: reforçando a relação de confiança e cooperação

Superar a resistência de uma criança ao tomar medicamentos depende fundamentalmente da construção de uma relação de confiança e cooperação.

Dessa maneira, os pais devem estabelecer um diálogo aberto, explicando a importância do remédio e demonstrando compreensão quanto às preocupações da criança.

Estratégias lúdicas, a escolha de formulações palatáveis e o reforço positivo são essenciais para facilitar o processo.

Assim como também é importante manter a consistência, a calma e a paciência, mesmo diante de desafios. 

E dessa forma, ao agir com empatia e oferecer apoio, os pais solidificam um ambiente de confiança, onde a saúde da criança pode ser priorizada sem traumas ou aversões.  

 

Esse tema foi sugestão de uma leitora e mamãe que está enfrentando esse desafio. Você também gostaria de deixar a sua sugestão? Comente aqui embaixo!   

Leia também: 

Seu filho não quer comer? Descubra se é seletividade alimentar! 

O poder da educação respeitosa: Guia essencial 

Deixe um comentário

Obs: Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados.

Este site é protegido por reCAPTCHA e a Política de privacidade e os Termos de serviço do Google se aplicam.